sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Arquiteto Vilmar Vidor - Sua trajetória - Idealizador do Curso de Arquitetura e Urbanismo - FURB e do IPPUB

Vilmar Vidor da Silva
Virada do milênio
Biografia
Uma das fotografias que o Professor Vilmar Vidor mais gostava. Curso de restauro de estrutura enxaimel ministrado por Manfred Gerner - um dos maiores nomes da pesquisa do Fachwerk - Enxaimel, na Alemanha - 12 a 16 de agosto de 1996. O encontro e o curso foi idealizado e promovido pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Blumenau - IPPUB - neste tempo Vilmar Vidor foi seu Presidente.
Vilmar Vidor da Silva  - Arquiteto e Urbanista; Pós-Doutor; Professor; idealizador e 1° Presidente IPPUB - Instituto de Pesquisa e Planejamento de Blumenau; idealizador, fundador e professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da FURB; Escritor; Pesquisador; (...),  escolheu a cidade de Blumenau para emprestar sua formação e contribuir com projetos desenvolvidos na cidade, ao longo do período inserido entre as décadas de 1970 e 2015, de maneira prática, dentro dos cargos que ocupou paralelo às suas pesquisas.
Foi incompreendido por parte de seus contemporâneos, tal como  aconteceu com muitos nomes da História. Buscou, praticar com lisura, o que determina a formação de um arquiteto urbanista. Questões muitas vezes, esquecidas por colegas da arquitetura e do urbanismo, sob a justificativa de que "preciso viver", preferindo se prostituir, fugindo do desgaste de contrariar o mercado imobiliário,  em detrimento do planejamento da cidade - organismo vivo, em movimento a todo momento. Muitos, são os que assinam os inúmeros projetos dos "disparates" que ocupam de maneira "agressiva" os espaços da cidade sem preventiva reflexão. 
Blumenau SC - 2015
Vilmar Vidor foi um  Arquiteto Urbanista na essência e no modo que atuou durante sua vida profissional como professor, pesquisador e urbanista. Fez-nos  compreender que podemos fazer os projetos arquitetônicos e propor arquitetura em todas as escalas e gabaritos, porém, antes, é preciso fazer o projeto da cidade, respondendo: "onde, como e de que maneira?" estas novas edificações serão construídas e integradas à malha urbana existente. 
Recém formado, chegou à cidade de Blumenau na década de 1970 e imediatamente recebeu a missão de implantar  o novo Plano Diretor da cidade. Este encomendado pelo ex Prefeito Evelásio Viera e implantado no governo do ex Prefeito Félix Theiss que, generosamente, lhe fez uma homenagem no momento que poucos amigos despediam-se do arquiteto, no dia 25 de novembro de 2015, quando faleceu no Hospital Santa Catarina - Blumenau - morte prematura e mal explicada. 
Félix Christiano Theiss - quando era
Prefeito de Blumenau

Mandato: 31/01/1973 a 01/02/1977
Félix Theiss dirigiu suas últimas palavras ao seu amigo e colaborador de equipe de Planejamento Urbano de Blumenau - década de 1970
Prof. Vilmar Vidor,
Os amigos se despedem: 
Você foi precioso na Secretaria de planejamento na Prefeitura de Blumenau. 
 Defendeu o Plano Diretor de 1975 de "unhas e dentes", ou seja, endureceu habilidosamente com munícipes que não queriam respeitá-lo, porque ainda não era Lei. A Câmara de Vereadores boicotou sua aprovação inicial. 
Só foi aprovado na Câmara no mandato posterior ao nosso. 
Você defendeu o 1° Projeto de Esgoto Sanitário de Blumenau, feito pelo "pai do Sanitarismo brasileiro" Saturnino de Brito. 
Você foi, não só, um exemplo de "Servidor Público". Foi um Mestre que ajudou a fundar o Curso de Arquitetura e Urbanismo na FURB, mercê de sua rica experiência em Arquitetura e Urbanismo na França. Nessa Homenagem póstuma, cabe agradecer-lhe por tudo que fez de maravilhoso por Blumenau. Que Deus tenha um lugar muito especial para meu querido amigo.

Blumenau, 25 de novembro de 2015.

Félix Theiss.



Nesta data da passagem de um ano de sua partida, no dia 25 de novembro, vamos compartilhar uma parcela de seus feitos em Blumenau e sua história na cidade que escolheu para viver e amava como cidadão e urbanista, como também, foi escolhido pela cidade. 
"O Arquiteto é o Homem que sabe como bem abrigar seu próximo. "
 Vilmar Vidor
Original - colocado em um cartão de formatura - destinado a um formando  da 1° Turma de Arquitetura e Urbanismo  da FURB - em março de 1997.
Vamos conhecer a História deste arquiteto blumenauense - nascido em Porto Alegre.

V i l m a r   V i d o r   (da Silva)

Na sequência da postagem, o chamaremos de maneira simples, como era conhecido - Vilmar Vidor.
Porto Alegre - RS - 1948
Vilmar Vidor nasceu na cidade de Porto Alegre no dia 05 de maio de 1948. Foi filho de Delmar Ramos da Silva e Maria Irani Vidor da Silva. O casal teve dois filhos. Vilmar teve uma irmã, que o antecedeu na partida, como também, seu pai - que faleceu no dia 13 de novembro de 1957quando Vilmar Vidor tinha 9 anos de idade.  De acordo com sua mãe, que reside em Porto Alegre no mesmo apartamento que Vilmar Vidor adquiriu com 19 anos de idade, ele sempre foi dotado de um grande senso de responsabilidade. 
Vilmar Vidor começou a trabalhar com 13 anos de idade no Conselho de Contabilidade de Porto Alegre, conquistando sua independência econômica muito cedo. Só pediu o desligamento do emprego, quando foi cursar a faculdade, 7 anos depois - no ano de 1968.
Quando exercia a profissão de Arquiteto Urbanista, sua família, com quem sempre manteve estreito contato, era formada por duas sobrinhas (filhas de sua irmã) e sua mãe, há muitos anos. 
Vilmar Vidor e sua Família













 Em uma de suas últimas entrevistas cedidas ao jornalista Altair Carlos Pimpão, este lhe perguntou: se ele foi bom aluno.
"Como é que vou me analisar?
Eu acho que fui um bom aluno, porque eu rodei uma única vez. Eu tinha que fazer o exame de Admissão. Eu estudei muito para fazer o exame de admissão e passei no Colégio Marista Champagnat de Porto Alegre. Era um Colégio muito concorrido."
Sua vó, que era professora, residia perto do Colégio. Vilmar Vidor foi na casa da vó e permaneceu lá por um mês estudando para fazer o exame de admissão. Passou com uma boa média. O Colégio é particular. Sua família não podia pagar a sua mensalidade e o transferiu para o Colégio Estadual Júlio de Castilhos – Julinho – de Porto Alegre.
O Colégio Estadual Júlio de Castilhos foi fundado em 1900. Originalmente estava em outro prédio e em outro endereço. Em 1951, o prédio antigo (foto) foi destruído por um incêndio (Até naquele tempo). O novo prédio da escola - construído em outro endereço, foi inaugurado em 1958 - ano interior ao ingresso do aluno Vilmar Vidor em suas dependências - A arquitetura do antigo prédio deveria ser admirada por seu aluno que não apreciava muito estudar matemática.
Resultado de imagem para Colégio Estadual Júlio de Castilhos
Colégio Estadual Júlio de Castilhos - Porto Alegre,
inaugurado em 1958 - Arquitetura Moderna
No primeiro ano do ginásio no novo colégio – Vilmar Vidor reprovou em matemática o que o fez muito deprimido e sofreu muito. Não era cobrado pela família, mas seu senso de responsabilidade não o perdoava. Contou que sua família não o pressionava e foi solidária diante de seu momento, pois acompanhava seu esforço para obter boas notas.
Durante seu ano de repetência, todo final de mês, recebia um livro como prêmio por ter obtido a melhor nota da classe. Livros, que afirmou, ter guardado sempre. Queríamos encontrar estes livros.
Suas melhores notas no colégio estavam
nas disciplinas ligadas ao desenho e à História
Resultado de imagem para cálculo e arquitetura
Teve um professor de matemática francês e nutria admiração pelo método pedagógico adotado por ele. Não apreciava a disciplina, tanto que o fez reprovar. Achava o mecanismo da matemática complexo se comparado ao seu lado de percepção artística. Foi a única disciplina que o fez “parar” através de uma reprovação. Vilmar Vidor contou que durante sua faculdade, cursou a disciplina de cálculo, também não o fez com facilidade e até os dias atuais achava que tinha uma dificuldade grande e não concordava com a disciplina, pois afirmava que não tem um "sentido prático" durante a profissão de um arquiteto. Argumentava que é importante para o profissional que faz cálculo de estrutura. Dizia que o arquiteto não faz cálculo de estrutura, mas que a pedagogia aconselha que se faça a disciplina dentro do curso de Arquitetura, para que o profissional de Arquitetura desenvolva o raciocínio e a percepção.
Vilmar Vidor - Quando frequentava
o científico - 18 anos
Quando frequentou o ginasial, tinha em vista três opções para sua formação e profissão. Na ordem de importância as profissões eram: jornalista, professor e arquiteto
Arquiteto foi sua terceira opção, porque foi desaconselhado, na época, por terceiros. Fato que ocorre até os dias atuais: "Arquiteto no Brasil, têm dificuldades para aplicar suas ideias e projetos. De certa maneira sim, por isto muitos destes profissionais mudam o seu perfil de formação acadêmica e tornam-se "tentáculos" de uma construção civil agressiva e descontrolada.
Vilmar Vidor ouvia que geralmente o Arquiteto tem dificuldade em formar uma clientela e poder trabalhar. Foi prático durante esta reflexão, porque assistia a labuta diária da família para cumprir os compromissos.
Essa ideia lhe acompanhou somente até o fim do curso do científico, quando percebeu que desejava seguir a profissão de Arquiteto. Neste tempo já delineava a ideia do Projeto na França.

Como surgiu a ideia de prosseguir os estudos na França?

Todas as suas tias eram professoras e tinham em sua biblioteca – espaço que apreciava  frequentar – muitos livros relacionados à França e sua história. Suas tias usavam os livros para fazer a programação e preparar aulas. Foi neste tempo que nasceu seu interesse pela França e também, pela Inglaterra. Desejou conhecer os dois países.
Ingressou no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, no início do ano de 1968
Imagem relacionada
Faculdade de Arquitetura UFRGS - Porto Alegre
Coincidentemente, seu curso tinha uma biblioteca com base em autores franceses, italianos e americanos. Preferia os autores franceses e  achava seus conteúdos melhores. Pesquisava com prazer nesses livros e foi, a partir do interesse crescente pesquisando aquilo que não tinha acesso na biblioteca, como a parte histórica de outros períodos, aumentava sua admiração pela França. 
Em casa - Porto Alegre - acadêmico de Arquitetura e Urbanismo
Quando terminou o curso de Arquitetura e Urbanismo, tinha também, desenvolvido o seu  projeto de estudo para a França (Especialização) – não propriamente de Arquitetura, mas de Planejamento Urbano, área que pretendia dar prosseguimento nos estudos.
Completou o curso de Arquitetura e Urbanismo em 5 anos - formando-se no final do ano de 1973


Na época que  Vilmar Vidor se formou não existia a estrutura de intercâmbio de pesquisas que há atualmente. Levou seu projeto até o consulado da França em Porto Alegre e o apresentou aos representantes franceses. Passou-se um  ano, não foi chamado e não obteve respostas a sua busca. No ano seguinte, quando já residia em Blumenau, o antigo Conselho Nacional de Desenvolvimento Urbano – CNDU – que existia desde o início da década de 1960, com interesse em especializar arquitetos na área de Planejamento Urbano, se manifestou. Existia um convênio entre CNDU e o governo francês – foi quando Vilmar Vidor foi contemplado com uma pequena bolsa de estudos.

Vilmar Vidor - 1974

Como foi que Vilmar Vidor chegou à cidade de Blumenau?

Quando terminou o curso de Arquitetura e Urbanismo em Porto Alegre, em dezembro de 1973, começou a procurar um escritório de arquitetura para trabalhar na cidade para atuar como arquiteto. Procurou, mas não teve êxito.
O pai de uma colega de faculdade leu em um jornal de Porto Alegre – Correio do Povo - que haviam vagas para arquitetos na cidade de Blumenau. Vilmar Vidor e sua colega, telefonaram para Blumenau e na semana seguinte viajaram para Santa Catarina. Isto aconteceu em janeiro de 1974 (um mês após sua formatura), quando conversaram com o Assessor de Planejamento da Prefeitura Municipal de Blumenau.
























 No final deste mesmo mês - janeiro de 1974, recém formados, ele e sua colega mudaram-se para Blumenau e começaram a trabalhar na Prefeitura Municipal no dia 1° de fevereiro de 1974
Foi tudo muito rápido e decisivo. 
Assim iniciava sua história na cidade de Blumenau.
Centro de Blumenau - Morro do Aipim - Restaurante Frohsimm - ano de 1975


Morro do Aipim - (Clicar sobre - ler mais) Restaurante Frohsinn 

Quando chegou à cidade de Blumenau, não conhecia ninguém e inicialmente foi residir em uma pensão localizada na frente do quartel, no Bairro Garcia. 
Vilmar Vidor contou que saiam de casa às 7:00h da manhã e não conseguiam embarcar nem no primeiro e nem no segundo ônibus, por causa da lotação. Permaneceram, ele e uma colega arquiteta, neste local entre dois e três meses, até conseguirem alugar uma casa, também no Bairro Garcia, próxima a Souza Cruz. Permaneceram residindo nesta casa por dois anos, até quando saiu do país, para cursar o Doutorado na França.
Registro na carteira do CREA

























Cópia - Documento de Identidade de 1975 - Também usado quando foi para França.
Com carimbo da Ville Grenoble

Evelásio Vieira
Mandato: 31/01/1970 a 31/01/1973
Entre todos os projetos, alimentou o desejo de concluir seus estudos de pesquisas na França. Construiu isso desde a adolescência e perseguiu sua concretização, durante alguns anos.
Tudo isso aconteceu, porque o Plano Diretor de Blumenau (contratado pelo Ex Prefeito Evelásio Vieira – 1972/1973 – elaborado por uma equipe de profissionais do Rio de Janeiro) tinha ficado pronto em 1973 e a Prefeitura Municipal de Blumenau tinha conhecimento de que precisava de arquitetos urbanistas para acompanhar a implantação do novo Plano Diretor. O prefeito, nesta época, Félix Theiss demonstrou ter consciência sobre a importância da presença do profissional do Urbanismo neste momento de sua administração - foi pioneiro dentro da História de Blumenau. Pode-se afirmar que foi o primeiro prefeito de Blumenau a contratar profissional com este perfil e formação - entre os contratados - o Vilmar Vidor. 
Durante o ano de 1974, a nova equipe de arquitetos, discutiu o novo Plano Diretor com a população, ao mesmo tempo que coordenava sua aplicação na cidade. Momentos conflituosos entre a necessidade de de organizar a partir do planejamento urbano e interesses de grupos pertencentes a todas as classes sociais da cidade. Natural.


Esta iniciativa aconteceu, porque durante o governo do ex Prefeito Evelásio Vieira, surgiram uma série de problemas a partir dos loteamentos clandestinos – já naquela época. Esta situação levou-o a contratar o novo Plano Diretor. Em 1974, a Prefeitura, ingressou com toda a legislação do Plano Diretor, apresentando diretrizes, quanto a ocupação do solo e outras tantas determinações quanto ao espaço da cidade. Esta foi a primeira função profissional de Vilmar Vidor dentro do poder público da cidade.
Para ver maior - clicar sobre a fotografia - o nome "Vilmar" escrito à mão sob Assessoria de Planejamento e mostra seu local e cargo  dentro da equipe de trabalho da Prefeitura de Blumenau de Félix Theiss - Foi o Arquiteto  contratado pelo prefeito para implantar o primeiro Plano Diretor da cidade de Blumenau na cidade.


Trabalhando na Prefeitura de Blumenau - Início do ano de 1974























Também estava entre as suas atribuições, na época da implantação do Plano Diretor e dentro deste, a implantação do Projeto de Esgoto da cidade de Blumenau e a construção da ponte na Rua República ArgentinaAnel Viário Norte – construída durante o governo do ex prefeito Félix Theiss. O Projeto da Estação de Esgoto – localizado na Rua Antônio Treis, foi adiado para o término da obra da ponte. Enfrentou muitos problemas durante sua implantação – anos 1974 e 1975.
Resultado de imagem para Rodoviária de Blumenau
O Plano Diretor em implantação na administração de Félix Theiss tinha dois "Anéis" importantes para a cidade, conhecidos como “Anel norte” e “Anel Sul”. Nesta época, o prefeito Félix Theiss, lançou a ideia de iniciar a nova Rodoviária de Blumenau e o fez. A nova equipe de arquitetos começou a trabalhar em cima do projeto da nova rodoviária, concluída durante o governo do ex prefeito Renato de Mello Viana.
O “Anel Norte” na época era uma obra difícil, mas não impossível. Por isto foi construído um de seus principais elementos - a ponte, o resto do projeto poderia ser concluído posteriormente, até mesmo em outras administrações. Até hoje, o projeto é inacabado e sua continuidade interrompida, no que diz respeito ao planejamento. Na época, foi executado partes importante, abrindo trechos da Rua 2 de Setembro para buscar concluir o “Anel Viário Norte”. Partes feitas com muita dificuldade, e  foi concluída a ponte, atualmente conhecida como ponte do “Anel Viário”, e só!
Destaque para a Ponte do Anel Viário Norte - com o projeto incompleto não é aproveitada como deveria no sistema viário da cidade. A Malha está incompleta - Este trabalho foi coordenado por Vilmar Vidor.


Resultado de imagem para ex Prefeito Renato Vianna  Blumenau
Renato de Mello Viana
Mandatos: 1º /02/1977 a 14/01/1982 e
 1º/01/1993 a 31/12/1996
O ex Prefeito Renato de Mello Viana tentou continuar a obra. Fez algumas desapropriações e de acordo com Vilmar Vidor, caberia aos outros prefeitos dar continuidade a mesma – isto, se conheciam as diretrizes do projeto. Era necessário construir a ponte junto à Rodoviária Nova – sobre a rua 2 de Setembro, concluída ainda no governo do ex prefeito Renato de Mello Viana.
Segundo Vilmar Vidor – era necessário que a execução do projeto tivesse continuidade – mas até então não aconteceu e as estruturas urbanas estão ali sem o seu total aproveitamento - porque não houve continuidade da execução do projeto. 
Nesse tempo que Vilmar Vidor trabalhava na Prefeitura, mais precisamente do ano de 1975 até 1979, também foi o professor responsável  pelas disciplinas de Desenho Técnico e Arquitetura e Urbanismo no recém criado curso de Engenharia Civil, na FURB - Universidade Regional de Blumenau. Foi professor dos engenheiros formados na primeira turma de formandos do curso de Engenharia Civil da FURB. 
Campus da FURB - 1979
























Também foi o Chefe de Departamento de Técnica das Construções  - do curso de Engenharia Civil - FURB - Universidade Regional de Blumenau nos anos de 1976 e 1977.
No ano de 1978, fez uma especialização em Administração do Planejamento Urbano na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - onde fez sua graduação. Terminou  a especialização no ano seguinte, 1979.
Brincadeira feita pelos cursandos no encerramento da especialização






Félix Theiss
Paralelo a este trabalho na Prefeitura Municipal de Blumenau, com o qual encontrava-se muito envolvido, e outros cursos, seu projeto de fazer uma Especialização na França continuava tramitando. Como mencionado anteriormente, foi contemplado com uma bolsa de estudos a partir do convênio entre o governo francês e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Urbano – CNDU. Pelo envolvimento e montante dos trabalhos sob sua responsabilidade na Prefeitura de Blumenau (assessor de Planejamento Urbano), aliado aos pedidos do ex Prefeito Félix Theiss e do Prefeito Renato de Mello Viana, de permanecer um pouco mais na cidade, foi postergando a sua ida para a França.
Capa de seu projeto antigo projeto para
estudar na França
Reencaminhou seus projetos no ano de 1978, e em dezembro recebeu o aviso que a bolsa havia sido deferida, não para especialização, mas para Doutorado. No ano de 1979 mudou-se para a França para dar sequência aos seus estudos - Doutorado na Université Paris - Sorbonne. 
Vilmar Vidor seguiu o que sempre buscou – prosseguir  seus estudos em Planejamento Urbano na França. Não falava o idioma francês fluentemente, a bolsa de estudos que receberia era pequena, não conhecia ninguém no país, mas foi. 
Vilmar Vidor
Antes do arquiteto partir para a França, aconteceu algo interessante. Um adito cultural francês, durante uma reunião na FURB com Vilmar Vidor e o Reitor da Universidade – Professor José Taffner, alertou-o ao saber do valor de sua bolsa. Disse-lhe que "teria uma vida bastante modesta", quando estivesse estudando naquele país. 
Para registro - O valor da bolsa que recebeu foi de 1200 Francos – neste tempo, o valor mínimo do aluguel no entorno da Universidade de Sorbonne era de 500 Francos. Diante do aviso do edito francês, Vilmar Vidor procurou a FURB, a qual tinha dois cursos, cujos quadros docentes tinha o nome do Professor Vilmar Vidor. A FURB investiu e pagou o valor de 4 horas/aula ao arquiteto. Vilmar Vidor, também procurou  a Prefeitura Municipal de Blumenau, que pagou por um tempo, um salário mínimo. Na época o Prefeito de Blumenau era Renato de Mello Viana.
Seu apartamento em Paris - local usado por Vilmar Vidor até 2015,
quando ainda estudava em Sorbonne. duas semanas antes de adoecer.
O espaço tinha o local para uma cama, uma mesa de estudos,
uma pequeníssima cozinha e um pequeno banheiro
Seu apartamento em Paris - local usado por Vilmar Vidor até 2015. Na foto anterior - estava sentado junto aos fundos do armário e tinha uma cama de solteiro posicionada paralelo à porta de entrada - Lay out com dimensões aproximadas e estimadas.
Correção - encontramos uma fotografia que específica o local da porta, que não confere com o desenho. O banheiro é menor e a porta está na parede oposta à janela.

Localização correta da porta de seu pequeno apartamento Fotografia tirada no ano de 2008.


























Logo que chegou na França, após se acomodar, matriculou-se em curso de língua francesa do Centro d'Études Français, Université de la Sorbonne Nouvelle. Certificado 12.06.1981. Estudou francês por dois anos, paralelamente ao seu curso de Doutorado.
Seu diploma de língua francesa
"Quando você conhece relativamente bem a língua francesa, você começa a admirar os escritores franceses. Por que a escrita não é uma coisa muito fácil, tem determinados arranjos, determinadas composições e combinações. Se pega um Vitor Hugo, você se deslumbra com a escrita. O francês, é admirável, eles têm uma educação, não somente da língua francesa, mas uma atenção com a língua. O menino e a menina que frequentam a escola, aprendem a escrever o francês perfeitamente. Os pequenos franceses saem da escola primária, eles sabem escrever um relatório."  Vilmar Vidor
Alguns de seus muitas dezenas de livros com títulos das mais diversas áreas de pesquisa das Humanas - nas línguas italiana, alemã, portuguesa e francesa. 
Parte de sua biblioteca  - entre os muitos livros - na língua portuguesa igualmente.
Fazia questão em dar um retorno positivo para fazer jus à bolsa e aos auxílios que estava recebendo do Brasil. 
Resultado de imagem para Université-Paris Sorbonne,
Université-Paris Sorbonne
Resultado de imagem para Université-Paris Sorbonne,Durante o curso na Université-Paris Sorbonne, começou a descobrir alguns projetos interessantes franceses, como por exemplo a construção de Cidades Novas – "Villes Nouvelles"uma pratica feita também em outros países da Europa, logo após o término da 2° Guerra Mundial, quando começaram a reconstruir os espaços destruídos. Motivado pela curiosidade, desejou conhecer como acontecia a criação destas "Villes Nouvelles"  e como o Estado decidia onde e como fazer. Os questionamentos o impulsionava a pesquisar. Na França, como também ocorreu nos outros países da Europa, havia o problema de superpopulação nas maiores cidades. Também era uma realidade na cidade de Paris. Vilmar Vidor estudou, com detalhes, o surgimento das "Villes Nouvelles"
No ano de 2014 ministrou uma palestra para nossos alunos do Curso de Arquitetura e Urbanismo - disciplina de Planejamento Urbano sobre as (Clicar sobre) "Villes Nouvelles" – a partir de suas pesquisas. Os futuros arquitetos assistiram toda a palestra encantados, compenetrados e em um silêncio profundo.

Prosseguindo...
Michel Rochefort
Michel Rochfort
Vilmar Vidor concluiu o Doutorado em Sorbonne em dezembro de 1983Fez sua defesa em março de 1984 e tornou-se Doutor em Planejamento Urbano na Université-Paris Sorbonne. Ou ainda, Doutorado: Analyse Régionale et Aménagement du Territoire, Universidade Paris I, Sorbonne. Le processus la région nord-est de I'Etat de Santa Catarina. Seu orientador foi o geógrafo francês Michel Rochefort - Professor em Sorbonne - Presidente  do Conselho de Administração do Instituto Francês de Urbanismo. 
Michel Rochefort nasceu em janeiro de 1927, em Joux-la-Ville e faleceu, coincidentemente, no mesmo ano que Vilmar Vidor partiu - janeiro de 2015.
Rochefort marcou a Geografia, especialmente a Geografia Urbana, onde destacou e estudou as desigualdades e problemas de desenvolvimento sócio-espaciais. Fez pesquisas em países subdesenvolvidos, com preferência e foco, na realidade brasileira, em particular. Acompanhou e orientou a pesquisa e estudos de Vilmar Vidor em Sorbonne.
Conférence à Floriano, Brésil (1971)
Michel Rochfort - Brasil - 1971
No link - mais sobre Michel RochFort Clicar sobre:
 Michel Rochefort, pour une géographie urbaine engagée

A tese defendida por Vilmar Vidor teve como o tema o Vale do Itajaí – antiga Colônia Blumenau e tinha relação com a implantação do Plano Diretor em Blumenau. Desenvolveu não somente o histórico econômico e urbano da área de Blumenau, mas também comparativos com outras regiões do Estado de Santa Catarina, como: Joinville, Brusque, e toda a área nordeste do estado. Foi um trabalho de reflexão sobre as condições de desenvolvimento do parque industrial e consequentemente do desenvolvimento da malha urbana e da malha rural para que este processo industrial pudesse evoluir na região. 
Tese de Vilmar Vidor - versão original - 1984
Algumas imagens da Tese
































































Após a defesa de sua tese, Vilmar Vidor retornou à cidade de Blumenau em abril de 1984.
Uma das primeiras coisas que fez quando retornou, foi a de traduzir parte do texto da tese para que este fosse disponibilizado à comunidade acadêmica e também à comunidade social. Parte de seu conteúdo foi publicado pela Editora da FURB, no ano de 1995 – sob o título de Indústria e Urbanização no Nordeste de Santa Catarina
Somente parte da tese foi traduzida e publicada - há uma cópia da tese original e completa na Biblioteca da FURB - desponível para os pesquisadores e comunidade.
Seu livro é o mais completo sobre a a história econômica da formação da Colônia Blumenau e adjacências que lemos, dentro de nossas referências bibliográficas de pesquisas. Seu conteúdo é muito denso e abrangente dentro das diversas áreas de estudos sobre o tema apresentado. Seguindo o perfil do autor - modéstia - foi pouco divulgado e poucos pesquisadores têm a noção do conteúdo, que faz um apanhado da formação do nordeste catarinense dentro da escala maior, do estado de Santa Catarina, com foco na Colônia Blumenau. Muito bom.
O livro - de uso pessoal - está "maltratado" - pelo muito manuseio



Ainda em 1984, quando retornou da França, Vilmar Vidor percebeu que a FURB cresceu. Continuou sendo professor do curso de Engenharia Civil, mas percebeu que havia espaço, também para um curso de Arquitetura e Urbanismo. Sugeriu à Reitoria da Universidade, a criação do novo curso. De acordo com o mais novo Doutor em Planejamento Urbano, existia um potencial muito grande não só em Blumenau, mas na região, para criar o curso. Muitas pessoas desejavam fazê-lo, e iam cursá-lo na cidade de Florianópolis – na UFSC – curso recém-criado. Ou ainda, iam para Curitiba ou, para Porto Alegre.
O Reitor da FURB nesta época era Arlindo Bernart, concordou com sua argumentação e sugeriu que ele desenvolvesse um Projeto para o Curso de Arquitetura e Urbanismo e assim o fez, Vilmar Vidor.
No início deste ano de 1984, tornou-se Coordenador do Projeto "Análise Sócio econômico da população sedimentada na área urbana de Blumenau" - com apoio do CNPq. Também, no início deste ano de 1984 tornou-se o Coordenador do Projeto "Cadastramento do Patrimônio Arquitetônico de Blumenau" - apoio SPHAN/Pró-memória. Este trabalho coordenado por Vilmar Vidor é um trabalho de valor imensurável para a cidade de Blumenau e está sob a guarda da FURB e também, ficou cópia com o extinto IPPUB (Digitalizado) - Prefeitura Municipal de Blumenau. Ele é o seu autor e sugerimos à FURB, sua publicação - em sua memória, antes que se perca para ficar como uma real contribuição para as futuras gerações de pesquisadores e os crédito, com o seu legítimo autor


Explicando um pouco sobre o projeto...

O Projeto Patrimônio Arquitetônico de Blumenau consistia no cadastramento da principais tipologias do patrimônio histórico arquitetônico e que teve como epílogo, o tombamento, pela Fundação Catarinense de Cultura, de vários imóveis no centro de Blumenau e outros restaurados. Entre estes restauros, está a recuperação da Igreja da Comunidade Luterana de Itoupava Rega Central. (Participamos deste trabalho, como estagiária - 1996).
O trabalho de Vilmar Vidor, também com o apoio da FURB e participação de estagiários acadêmicos da instituição, foi o de fazer um cadastro de imóveis antigos, contendo um pequeno relatório técnico, descrição, planta baixa e elevações e fotografias dos imóveis selecionados.
Exemplo da ficha que Vilmar Vidor usou para fazer o cadastro do Patrimônio Histórico Arquitetônico de Blumenau. Este acervo valiosíssimo e o original está em algum lugar em Blumenau. Segundo Vilmar Vidor, 2/3 das edificações cadastradas foi demolido.
Segundo Vilmar Vidor, o fichário dos imóveis foi repassado para a Fundação Municipal, a qual posteriormente repassou para o Instituto de Pesquisas e Planejamento de Blumenau - IPPUB. A parceria entre a FURB e IPPUB aconteceu, porque Vilmar Vidor - Presidente do IPPUB, como professor da FURB, promovia a "ponte" e o intercâmbio.
Exemplo de Como este trabalho ficou no IPPUB - Onde está este trabalho Hoje?
O autor deste trabalho é Vilmar Vidor




















































Inspirada, em todas estas ações referenciando o Patrimônio Histórico Arquitetônico de Blumenau, a Professora do Curso de Serviço Social da FURB - Amabile Dorigatti teve a iniciativa de criar a Associação dos Proprietários de Imóveis Antigos. que depois virou Instituto Bertha Blumenau e atualmente está incorporado ao IHB - Instituto de História de Blumenau.
"A associação dos proprietários de imóveis antigos foi ideia da professora Amabile Dorigatti do curso de Serviço Social e contou durante três anos com o trabalho dedicado das estagiarias Jacqueline Samagaia, Ivanir Mais e Denise Suchard. Esta associação que depois virou Instituto Bertha Blumenau, estava inserida no projeto de cadastro como consequência direta do trabalho técnico de levantamento dos imóveis. Digo isto porque, se não fosse a mesma pessoa, talvez a integração não tivesse existido. É um detalhe no percurso histórico mas, eu considero importante, considerando o desenrolar posterior, muito midiático e politico que fez o projeto sucumbir. Tem dois nomes citados na entrevista de Nemetz, Vilma Tomio e Neide Floriano que eu nunca ouvi falar. Talvez por lapso de memória." - Vilmar Vidor - 02/03/2014. 
"Lembro bem desse trabalho da Profa. Amábile, da FURB. Das camisetas com a casa enxaimel (eu tinha duas camisetas e as usei muito nessa época). Também tinha a revista em quadrinhos sobre a história do enxaimel. O Centro de Memória Universitária da FURB deve ter esse material. Foi um projeto muito importante." Heide Zimmermann - 03/03/2014
Atualmente esse trabalho está sob a guarda da FURB e também, deveria estar na Prefeitura Municipal de Blumenau.  Parte significativa do acervo cadastrado (2/3) foi demolida. Como Presidente do IPPUB,  paralelamente a este trabalho, o Professor Vilmar Vidor efetuou um trabalho junto aos proprietários das edificações históricas cadastradas. Mantinha um diálogo permanente com os proprietários de imóveis antigos, através da Associação dos Proprietários de Imóveis Antigos, a qual tinha uma cadeira no Conselho do Patrimônio Histórico de Blumenau. Nas assembleias desta Associação, a municipalidade e os proprietários debatiam sobre a manutenção do patrimônio e sobre possíveis políticas preservacionistas. Existia um Estatuto e as reuniões eram periódicas. 
Representantes da Associação dos Proprietários de Imóveis Antigos , também ocupavam
uma cadeira no Conselho de Patrimônio histórico, que deliberava e debatiam sobre restauro
e estado de conservações de imóveis cadastrados.
Para ler mais sobre A Associação dos Proprietários de Imóveis Antigos - Clicar sobre: Da Associação dos Proprietários de Imóveis Antigos - Instituto Bertha Blumenau - Instituto Histórico de Blumenau - IHB

Vilmar Vidor - 1987
Neste mesmo tempo, 1984/1985, participou e coordenou a reavaliação do Plano Diretor Físico Territorial do município de Timbó SC.
Em 1986, Vilmar Vidor também foi assessor do projeto "Trabalho Social sobre Patrimônio Arquitetônico de Blumenau" sob coordenação da Profa. Amábile Dorigatti, iniciado em 1986 - também com apoio do CNPq.
Nos anos de 1991 e 1992, acompanhou de perto a implantação do curso que ajudou a criar sem ter entrado em sala de aula – lecionava as disciplinas ligadas à área de Planejamento Urbano. Neste tempo, desenvolveu pesquisas paralelamente coordenando grupos de alunos. Nós pessoalmente fizemos parte de um destes grupos orientados pelo Professor. Desenvolvemos pesquisa sobre materiais alternativos para habitação popular, com verba do CNPQ. O Objetivo de Vilmar Vidor foi de construir um acervo de pesquisas dentro da Universidade. 
Antes da implantação do curso de Arquitetura e Urbanismo - entre os anos de 1989 e 1990, foi o Coordenador do Núcleo de Pesquisas em Planejamento Urbano vinculado ao IPS - Instituto de Pesquisas Sociais da FURB - Universidade Regional de Blumenau. 
Neste ano de 1990, solicitou à Reitoria licença até 1991 para fazer o Pós Doutorado na Université Paris I- Pantheon Sorbonne - França, onde tinha defendido a tese de Doutorado. A oportunidade surgiu. O tema de sua Pesquisa foi: Planejamento Urbano e Meio ambiente, Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente. 








 De maneira prática, estava "abrindo" caminho para o novo curso  na FURB que tanto almejava.
Quando chegou em Blumenau, após o Pós Doutorado na França, no dia 6 de abril de 1991 ministrou uma palestra relacionada ao tema de sua pesquisa do Pós Doutorado no Espaço da ACAPRENA  - Associação Catarinense de Preservação da Natureza. Nesta palestra conhecemos o Professor Vilmar Vidor. Lamentamos não termos feito registros fotográficos. O Professor  era sócio da entidade. Durante a palestra foram travados calorosos debates sobre a situação das cidades no Brasil e a degradação ambiental a partir das ocupações humanas e seus diferenciais sociais.
Vilmar Vidor foi um assíduo Sócio da Acaprena
No ano de 1992, forneceu material para a edição da RBS TV - matéria: Patrimônio Histórico e Arquitetônico de Blumenau - Edição Videográfica.


Neste mesmo ano de 1992, assistimo-o no telejornal local de  meio dia como Presidente  da Comissão Especial de implantação do Curso de Arquitetura na FURB, com a primeira turma ingressando neste mesmo ano.
Comissão composta desde o ano de 1990 - com a Presidência do Professor Vilmar Vidor
Inscrevemo-nos no vestibular para fazer parte desta primeira turma de Arquitetura e Urbanismo.  Ingressamos no início do ano de 1992 no primeiro semestre do curso idealizado pelo Professor Vilma Vidor. A nossa prova do vestibular teve duas etapas: A prova feita por todos os vestibulandos e a prova prática de desenho. Os candidatos a arquiteto, em seu primeiro vestibular na FURB, precisavam comprovar habilidades mínimas para desenho e perspectiva.
Aula Magna  da 1° Turma - sem a presença do Professor Vilmar Vidor

Ele ministrou 3 disciplinas para a primeira turma. Encontramos entre seus guardados, neste último ano, a lista dos nomes, que estavam na sua turma de Projeto Urbanístico, com o dizer manuscrito na parte superior do papel: "1° Turma - 2° Semestre de 96" e uma fotografia dessa turma, feita após a apresentação de todos os trabalhos de Projeto Urbanístico - Projeto final de Urbanismo - no curso.




Penal que levava lápis e canetas para sala de aula - na década de 1990.

Primeira Turma de Projeto Urbanístico (Final de Urbano) - 1° Turma de Arquitetura e Urbanismo da FURB - 1996 e os Professores Vilmar Vidor e Cristiane Mansur. Havia um terceiro professor  - Sérgio Alibert Meirelles que faleceu no decorrer do semestre em um afogamento no mar - Homenageado na formatura desta turma como professor "Nome de Turma".
Por ser a primeira turma de um curso como Arquitetura e Urbanismo - que envolve  áreas diversificadas de pesquisas com foco predominante na área de humanas, estando dentro de um Centro Tecnológico, a primeira turma passou por algumas "tempestades" e o professor Vilmar Vidor, também. 
Formatura da Primeira Turma de Arquitetura e Urbanismo da FURB.
O número de formandos foi aumentado, porque o Curso e sua Coordenação quis mostrar que tinha mais formandos. Criou um curso de inverno concentrado - que possibilitou o ingresso de mais formandos - Observar as duas fotos, percebe-se o acréscimo do número de formandos. 

Se você quiser conhecer a História do curso de Arquitetura e Urbanismo de FURB - Clique sobre: História da Fundação do Curso Arquitetura e Urbanismo e 20 Anos - Formatura da 1° Turma - FURB - Blumenau SC

Por ironia, e talvez consequência por não externar seus feitos e trabalho (Trabalhava em silêncio e com disciplina) na época da formatura da primeira turma do curso de Arquitetura e Urbanismo da FURB não recebeu convite formal e oficial para a formatura, como também outros professores. Não foi homenageado, porque os formandos  não tinham a menor ideia e nem nós tínhamos - acabamos descobrindo agora nesta pesquisa, que o Professor Vilmar Vidor foi o idealizador do Curso de Arquitetura da FURB
Ele guardou toda a papelada do projeto que executou - nós o vimos neste ano. Após a formatura, Vilmar Vidor recebeu um convite separadamente de um dos formandos (nosso convite), para guardar como lembrança, e ele o fez. Também encontramos este convite entre seus guardados, depois que partiu.

Neste momento desconhecíamos que o Professor Vilmar
Vidor foi o idealizador do Curso de Arquitetura da Furb.
O idealizador do curso silenciava-se diante das adversidades, mas acompanhava a sua implantação atento
Neste tempo, durante o cursar da primeira turma de Arquitetura - ainda no ano de 1992, teve a oportunidade em dar prosseguimento em seus trabalhos junto à Prefeitura Municipal de Blumenau. Idealizou  e teve o apoio do Prefeito da cidade em exercício - Renato de Mello Viana, de implantar o Instituto de Pesquisas e Planejamento Urbano de Blumenau - IPPUB
No papel que mostra uma proposta inicial da autarquia, ficou evidente o interesse de Vilmar Vidor, no que tange a pesquisa. O primeiro nome sugerido seria somente Instituto de Planejamento de Blumenau IPB - Recebeu, pelas mãos de seu autor, a palavra "Pesquisas". Sugerimos a leitura, para que as pessoas tenham uma noção do que é esta autarquia, composta por técnicos, e não políticos, para planejar a cidade.































Foi seu primeiro Presidente. Em 14 de Junho de 1993, sob a Portaria N° 2.024  - assume a presidência do recém criado IPPUB - Instituto de Pesquisa e Planejamento de Blumenau (maio de 1993) no dia 2 de janeiro de 1993 e ocupou-o até 31 de dezembro de 1996, quando encerrou o mandato do Prefeito Renato de Mello Viana


Como Presidente do IPPUB - criou muitas oportunidades para promover reais intercâmbios com outras administrações que também priorizavam, aplicavam e enalteciam o Planejamento Urbano a partir de políticas públicas com lastros, envolvendo as diversas áreas políticas-sócios-econômicas.
Nas duas fotos abaixo, recebendo o Arquiteto Jaime Lerner, no dia 11 de agosto de 1993 que palestrou para uma plateia formada por técnicos, acadêmicos, e comunidade. O  anfitrião foi o IPPUB. Na fotografia, também presentes, além do professor  Vilmar Vidor, o Prefeito de Blumenau, Renato de Mello Viana e o Coordenador do Curso de Arquitetura, Arquiteto Stênio Calsado Vieira.

Arquiteto Jaime Lerner com a palavra

Por desencontros e "tempestades", o Professor Vilmar Vidor não foi devidamente homenageado na formatura da primeira turma de formandos do curso que idealizou - Arquitetura e Urbanismo da FURB. Mas foi especialmente homenageado na segunda turma de formandos do curso. A colação de grau foi no dia 2 de agosto de 1997.
Entre os formandos estavam os arquitetos:
  • Christiane Mundim Lindner
  • Fabiana Hinsching
  • Ivo Peretto Filho
  • Joanas Eduardo Franz
  • Juliane Stefanes
  • Larissa Darius Schwanke
  • Patrícia Schwanke
  • Raquel Marchi

Em seu escritório residencial - Blumenau
Para registro - lecionou no Curso de Arquitetura e Urbanismo da FURB,  de 1992 até 1997.  Ministrou as disciplinas: História da Cidade, Economia Urbana, Teoria História da Arte, Arquitetura e Urbanismo, Planejamento territorial Urbanos e Projeto Urbanístico.
Participou e coordenou a reavaliação do Plano diretor Físico-Territorial do município de Gaspar SC - 1997.
Em 1998, em decorrência do novo sistema de aposentadorias, criado pelo governo federal, solicitou a aposentadoria, porque era munido de todas as condições. Recebeu a aposentadoria, e mesmo sem querer sair da FURB, teve que sair. Saiu da FURB em dezembro de 1998 e em fevereiro de 1999 estava na lecionando na UNIVALI, sempre com desejo de retornar para a FURB.
Ano 2000 - Com alunos de Arquitetura  e Urbanismo da Univali - Brasília- Palácio da Alvorada

No ano de 2003, Vilmar Vidor foi o Secretário de Planejamento Urbano de Bombinhas. 
Entre os anos de 2005 e 2008, fez parte do quadro docente da Pós-Graduação Urbanismo, História e Arquitetura das Cidades - ligado ao curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Nossa Banca de Qualificação - Primeira turma de mestrado Urbanismo, História e Arquitetura das Cidades - Professor Vilmar Vidor (Nosso orientador) com os professores convidados - participantes da Banca - Professor Nelson Popini Vaz e Professor Lino Peres - UFSC  - Ano 2007.

Uma de suas cartas de apresentações...
"Prezados Senhores,
 Minha carreira docente foi sempre dedicada ao urbanismo. Sempre tive o maior interesse por esta área de estudos. A partir de 1975 quando comecei a lecionar no curso de Engenharia Civil da Furb já recebi como missão desenvolver a disciplina planejamento urbano.
Meu primeiro trabalho, logo após a formatura, em 1973, foi na área de planejamento urbano. Assumi o posto de Diretor de Estudos e Projetos na recém-criada Assessoria de Planejamento de Blumenau em 1974. Desenvolvi esta atividade em paralelo com a docência na Furb até 1979 quando parti para desenvolver doutorado na França.
Concluído doutorado em 1984 reassumi em tempo integral e dedicação exclusiva na Furb onde passei a chefiar o laboratório de pesquisas sobre planejamento urbano no antigo Instituto de Pesquisas Sociais. Neste laboratório desenvolvemos duas linhas de pesquisa: patrimônio histórico e análise da situação urbana em Blumenau. Nestes dois eixos trabalhamos treze anos, até 1997, quando me aposentei.
Os dois eixos de pesquisa tiveram desdobramentos, estendendo-se aos cursos de engenharia civil, história, serviço social e ciências sociais porque contávamos com professores engajados no processo e interessados no desenvolvimento e nas conclusões das pesquisas para utilizarem-nas como material de estudos junto aos alunos. Ainda não tínhamos curso de Arquitetura, este iniciou em 1993 e não teve laboratórios de pesquisa senão a partir de 1998.
Meu trabalho de doutorado foi traduzido e adaptado para publicação em 1995. Com o título “Indústria e urbanização no nordeste de Santa Catarina” trabalhamos as questões produção, salário e desenvolvimento urbano. Publicamos outros artigos, relacionados no currículo e realizamos um trabalho de pós-doutoramento em 1991, que constou da análise dos Conselhos de Arquitetura, Urbanismo e Ambiente na França.
Nos meses de setembro, outubro e novembro, próximos passado, estivemos na França para iniciar um segundo pós-doutorado sobre Cidade Novas. Anexamos a este dossiê parte das fichas de leitura para reflexão em relação a este trabalho de pesquisa.
Além das tarefas principais mencionadas acima desenvolvemos outras junto a comunidade urbana de Blumenau, de caráter mais prático, como assessoria às associações de bairro, trabalho de coleta de dados e interpretação estatística para a prefeitura e várias consultorias.  Trabalhamos também no município de Timbó como consultor para revisão do Plano Diretor e na prefeitura de Bombinhas como Secretário de Planejamento Urbano, no ano de 2003.
A partir do mês de janeiro de 1998 assumimos as disciplinas de planejamento urbano do curso de Arquitetura e Urbanismo da Univali em Balneário Camboriú. Fui encarregado de elaborar os programas de todas as disciplinas do tronco, ou seja, Planejamento Urbano II, III, IV, V, VI e Planejamento Turístico Estratégico. Juntamente com colegas, eu fiz parte da comissão para criar o projeto de mestrado na área de urbanismo na Univali. Conclui meus trabalhos na Univali em 2004. Desde 2003 sou docente convidado do curso de mestrado “Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade” da Universidade Federal de Santa Catarina.
O edital publicado no site Vitruvius sobre as inscrições na PUC  para vagas no curso de mestrado, indicam 8 horas para o curso de graduação e 32 horas para o curso de mestrado. Eu gostaria de confessar que não tenho absolutamente nenhum interesse em lecionar no curso de graduação. Eu sei que a Capes solicita um entrosamento dos cursos de graduação com os de pós-graduação, entretanto não é obrigatório o engajamento do professor com o curso de graduação. O entrosamento pode ser feito com alunos de graduação pesquisando nas linhas de pesquisa do mestrado. Com toda franqueza considero perda de tempo, professores com alta qualificação, dedicarem tempo no curso de graduação, o que pode ser feito com professores ainda não tão qualificados.
Espero ter sido objetivo e claro nesta exposição e coloco-me ao dispor desta Instituição para as entrevistas subseqüente."

Vilmar Vidor da Silva
Dezembro 2006
Credencial - Universidade Paris X - Paris França
Entre 2008 e  2009, dá prosseguimento a mais um Pós Doutorado na Universidade - Paris X - Nanterre - França - Demografia de Sociedades Contemporâneas.
Entre os anos de 2009 e 2011, retornou à casa e voltou a lecionar no curso que idealizou - Arquitetura e Urbanismo da FURB - Disciplinas de Planejamento Territorial Urbano e Projeto Urbanístico.
Morou novamente, no pequeno apartamento que morou no final da década de 1970 e início da década de 1980. Nessa época fez fotografias do local.





Resultado de imagem para Universidade Paris VIII, Saint Denis
Universidade Paris 8 - Paris - França
Antes de retornar a Blumenau em novembro de 2015, estava na França e desenvolvia pesquisas sobre Cidades Novas - "Villes Nouvelles" na Universidade Paris 8, Saint Denis-Vicennes - França. Estava na fase da redação e o tema era: O Processo de Favelização da População Brasileira. Seu objetivo era compreender o método de implantar o projeto de  "Villes Nouvelles"  e tentar implantá-lo Brasil. Começou a pesquisa em 2008, continuou uma parte em 2010, criando uma possibilidade de desenvolver um projeto, por solicitação dos pesquisadores da Université Paris 8 Sorbonne sobre o tema – Favelas na América Latina. Por certo esta solicitação estava encabeçada por seu orientador de Doutorado, o Geógrafo Michel Rochefort. Na Universidade de Sorbonne, onde Rochefort era professor e Presidente  do Conselho de Administração do Instituto Francês de Urbanismo, há um laboratório que estuda a sociedade contemporânea. Os franceses queriam compreender o porquê a 6° Economia do mundo tem um número tão grande de pessoas residindo em favelas e o Vilmar Vidor era o pesquisador que poderia contribuir com esta linha de pesquisa.
Falando sobre "Villes Nouvelles" aos nossos alunos da Planejamento
Urbano - 2014 - Jaraguá do Sul SC
Seu interesse em pesquisar e na montagem de projeto de  "Villes Nouvelles"  no Brasil foi movido por desejos e idealismo pessoais e motivados pelos colegas franceses.  Tinha consciência que não existia espaço no Brasil para aplicar o projeto. Não existia futuro mediante as condições e ausência de políticas públicas no país. O governo brasileiro não tinha e não têm interesse nesse tema. Os governos municipal, estadual e nacional não têm estrutura para iniciar este projeto aos moldes daqueles existentes na Europa
Assuntos relacionados - Para ler mais sobre - Clicar sobre o título escolhido:
Uma fotografia de Vilmar Vidor - Cidade Nova - Montparnasse - França.
 Fotografou seu reflexo na janela espelhada.

Um fotografia de Vilmar Vidor - Cidade Nova - Montparnasse - França.

Apresentamos um pouco, de maneira muito sintética, sobre a passagem de Vilmar Vidor durante sua vida, onde - dentro do maior período desta, viveu e trabalhou na cidade de Blumenau.
Em novembro de  2015, Vilmar Vidor, que estava na França, retornava mais uma vez, para Blumenau. Isto foi por volta do  dia 12 de novembro, quando teve um mal súbito. Submetido a um procedimento cardíaco no Hospital Santa Catarina, foi vítima de outras complicações que não aquela pela qual deu entrada no hospital e não conseguiu superar.
No dia 25 de novembro de 2015 - às 10:00h. partiu
 "Em nome da FURB, a quem o Professor Vilmar dedicou toda sua energia, empenho e carinho para construir uma grande obra, talvez a obra-prima de sua vida, nosso Curso de Arquitetura e Urbanismo. Quando vejo, tantos seus alunos, colegas, irmanados e enlutados, pela perda, vejo que nossa FURB é a soma de cada um, com as suas histórias, vidas, trabalhos, acertos, erros, desejos. Grato Professor Vilmar e obrigado a Deus por tê-lo permitido este convívio com/e no nosso meio. João Natel (Reitor da FURB)"
Vilmar, grande homem! Com você aprendi muito como aluna, depois como estagiária do IPPUB. Com cara séria assustava os funcionários que não conheciam teu grande coração. Seriedade que era só uma casca para uma pessoa que vibrava por dentro, era engraçado e soltava suas "pérolas" nas aulas de Urbanismo. Mais tarde, eu já formada, pude, junto com a Angelina e a Rita, perceber como era grande o teu coração.
Sou muito grata a tudo que representasse em minha vida.Vá com Deus, querido amigo. Luciana G. Rosa (Ex aluna e estagiária).
Caríssimo, Vilmar Vidor, Tive o prazer de conviver contigo na FURB. Foi você que entregou a primeira lista bibliográfica para o curso de Arquitetura e Urbanismo. Você foi um grande batalhador na criação desse cursoMinha admiração por você foi grande. Agora que resolveste partir para outro plano, vá em paz. Muita luz. Nessi Cristelli ( Ex funcionária da Biblioteca da FURB).
 Vilmar, vais fazer falta. Boas lembranças de quando morávamos juntos. De quando você transformou a cidade fazendo mão única na rua 7 e na XV. Você aceitou nosso desafio de tocarmos o Partido Verde PV, em Blumenau. Saudades. Guido Heuer (Artista)
O velório aconteceu no Jardim da Saudade - Blumenau SC - das 21:30h. do dia 25 até a 1:00h do dia 26, quando seu corpo foi transladado para sua cidade natal - Porto Alegre - RS, onde foi sepultado no Cemitério João XXIII.
Os nomes que assinaram seu livro de despedidas - em Blumenau:
  • Félix Theiss;
  • Angelina Wittmann;
  • Claudia Siebert;
  • Hilda Melchioreto;
  • Renato Jünge;
  • Sueli Petry;
  • Décio Zendron;
  • Sônia Heuer;
  • Guido Heuer;
  • Marcia Sardá;
  • Alexandre Gevaerd;
  • Ivanir;
  • João Natel;
  • Luciana Grebe Rosa;
  • Nessi Cristelli;
  • Valdir Dechamps;
  • Família.
Como acontece com todos os nomes da história, viveu à frente de seu tempo, portanto, não foi compreendido por muitos, fato que acontecerá, quando passar este "hífen de tempo" histórico. Quando passar, perceberemos a importância de sua contribuição. Principais características: Correção, obstinação, integridade e persistência.
Aniversário de 2017
“Planejamento Urbano é um assunto que me apaixona. Eu vim para a cidade de Blumenau para trabalhar sobre o Plano Diretor, porque eu acreditava na minha formação de Arquiteto, que o Planejamento ajuda a população a chegar em um determinado conforto urbano.”
Vilmar Vidor
Epílogo

Vilmar Vidor apreciava o meio ambiente construído e natural de maneira integrada. Observava os detalhes deste encontro a partir das milhares de fotografias que fez ao redor do mundo. (Algumas de suas fotografias estão no final desta postagem)
Também foi um Filatelista. Via arte, história e beleza nos selos. Colecionava postais. Gostava de comemorar a tradição de natal em família. Gostava de ler e ver a arte e a história da Arte. Gostava de cinema e colecionava os tick's dos filmes que assistia. Gostava de viajar e fotografar a paisagem natural e construída dos locais que visitava. Amava a França. A bebida? - Vinho francês. Amava sua família. Uma de suas características, poucas, mas pontuais palavras - em alguns momentos: àcidas. Conseguiu sua cidadania italiana no ano de 2015, para estar mais perto da França. Perspicáz e com grande senso de justiça e correção. Amava Arquitetura e Urbanismo.

Deixamos também o registro, de maneira legais, orientou inúmeras Dissertações de Mestrado do curso de Geografia e de Arquitetura da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina. Possível  por conta de seu ótimo currículo.


Homenagem - Novembro 2015 - Expressão Universitária - FURB


Em construção...
-------------------------------------------

Nossas lembranças...

Sua trajetória profissional e contribuição em nossa formação profissional e de muitos, mas muitos mesmo - em Blumenau, como profissional, desde 1974 - lembranças - sob um enfoque mais pessoal, também com o objetivo de construir um registro histórico a partir de seu trabalho.
Após a apresentação do Projeto Urbanístico - Trabalho final de Planejamento Urbano, com a  Professora Cristiane Mansur e os primeiros formandos do Curso de Arquitetura e Urbanismo da FURB (1994) - Curso que ajudou a fundar






Entrevista concedida como Presidente do IPPUB à uma pesquisa - coleta de dados  - sobre a Rua das Palmeiras ou Alameda Duque de Caxias - Centro Histórico de Blumenau.

Sua vida, opiniões, projetos, ideário em um registro documental publicado em entrevista cedida ao jornalista blumenauense Altair Carlos Pimpão, em dois momentos distintos. Ambos filmados no mês de abril de 2012. Adquirimos mediante um custo, os dois vídeos do jornalista Altair Carlos Pimpão, para compartilhar um pouco do Arquiteto, neste espaço.
Seu comentário, após ter recebidos os link´s de
nossa entrevista ao jornalista Altair Carlos Pimpão - via correspondência eletrônica - que aconteceu um pouco antes de sua entrevista. Enviamo-lhe os link´s - encontrava-se na Itália.
"Muito bom Angelina, fiquei emocionado. Que bom que o IPPUB foi lembrado. Como faz falta um IPPUB nesta cidade. Espero que o pessoal da Arquitetura da FURB tenha gostado da publicidade a respeito de arquitetos e urbanistas. E que bom que construíssem a ferrovia do frango. Como o Brasil está atrasado !!!! Parabéns, ficou muito bom o programa. Foi tua historia de vida até aqui, com Roberto, filhos, etc. Se tu encontrares o Pimpão, tu dizes a ele, que mandei um forte abraço." - 08/11/2011 Vilmar Vidor
Comunicação que nos enviou via correspondência eletrônica - comentando sobre sua entrevista, em 10 de abril de 2012.
"Bom dia Angelina !...O Altair me pegou no mercado e me propôs de fazer um "mesa de bar". Cheguei ontem na emissora e ele disse que íamos para o cidadania ao vivo, levei um susto. Mas gostei do programa, falei muito do IPPUB e das barbeiragens que a prefeitura e outros estão fazendo. Falamos que um futuro IPPUB é importante pra cidade mas não pode ser um cabide de emprego como fez o (ex Prefeito) Décio, tem que ser um órgão técnico autônomo e com orçamento, senão não se pode fazer nada, etc..." - 10/04/2012 Vilmar Vidor
Sua entrevista...




O Mestre...

Com já mencionamos, conhecemo-nos pessoalmente durante uma palestra promovida pela ACAPRENA - Associação de Preservação da Natureza - intitulada: Arquitetura Ecológica - Ano de 1991
Isto aconteceu em um tempo que a mídia não "mastigava" a palavra "Sustentabilidade" e nem, qualquer trabalho acadêmico exigia, por obrigação, o tal conceito sem o menor lastro, com o risco deste ser reprovado caso não o fizesse.
A "Sustentabilidade" estava na consciência, naturalmente de algumas pessoas, como a do Professor Vilmar Vidor. Tinha acabado de chegar da França e era o Coordenador da equipe que implantava o novo Curso de Arquitetura e Urbanismo da FURB, fato que chamou nossa atenção - quando soubemos - via mídia local. Arquitetura é a profissão que nasceu conosco e até aquele momento, imaginávamos que não teríamos oportunidade de tornarmo-nos arquiteta.
Após a palestra, encontramos o Professor Vilmar no supermercado do bairro e, ao cumprimentá-lo, dissemos-lhe que sempre desejamos cursar arquitetura, mas fomos sendo conduzidos por outros caminhos. Perguntamos a ele, o que achava da possibilidade de fazermos o curso, contando com as tarefas domésticas e o cuidado com os dois pequenos. De maneira muito séria, ele respondeu: "Se tem vontade, faz...uéh!" 

Assim iniciou nossa jornada profissional e de amizade - de 1991 até a data de sua partida - 2015. 
Não precisamos repetir sua postura e metodologia em sala de aula: provocativa, ácida, real, crítica ao mostrar a realidade dos espaços nos quais interagimos a partir de várias ações - em estudos de casos
Mostrou-nos igualmente, a importância da continuidade histórica no espaço e de como esta interfere no psicológico e no psiquê coletivo das pessoas. Do espaço bem usado planejado com respeito a integridade do meio. De como devemos "ler as forças invisíveis"  comandadas por grupos desprovidos do foco voltado para a cidade dentro da mesma. A necessidade do Planejamento...  (...) 
Tudo pontuado, pautado em leituras, biografias e análises lógicas, com foco no homem - a partir de sua integridade, física, moral, psicológica e no espaço, no qual efetua suas relações.  De acordo com uma funcionária aposentada da Biblioteca da FURB - Nessi Cristelli, foi o primeiro professor do novo curso da instituição - a entregar a lista da bibliografia para providenciar os livros para o curso de Arquitetura e Urbanismo.
Enquanto presidente do  IPPUB, muitas vezes ficou doente, internado no Hospital, mas não "jogava a toalha" mediante questões do Planejamento Urbano e mantinha suas convicções. Nós? Aprendíamos a partir da suas práticas, teorias e ações. Foi muito pressionado, por aqueles com pensamento pequeno e restrito, sob ponto de vista do urbanismo.
























Cursamos e fizemos parte da primeira turma de Arquitetura e Urbanismo da FURB. Tivemos a oportunidade de ser sua aluna em algumas disciplinas. A disciplina que mais nos marcou foi o Projeto Urbanístico - projeto de encerramento do curso, que envolve a área de Urbanismo. No decorrer deste trabalho, outro professor e seu colega na disciplina partiu - o Professor Sérgio Meirelles. Na apresentação do trabalho falamos sobre a morte e ele supos que do "outro lado" as pessoas poderiam estar vendo e ouvindo o que dizemos. Foi um momento especial em nossa formação profissional. 
Projeto Urbanístico - orientado pelo Professor Vilmar Vidor

Convite para a posse de novos Conselheiros na época que trabalhava no IPPUB
Projeto Urbanístico orientado pelo Professor Vilmar Vidor
Depois passamos pela experiência prática no Urbanismo - como estagiária da autarquia - IPPUB - sob sua orientação e também pela experiência de participar, como conselheira, de alguns Conselhos Municipais como o do Patrimônio Histórico e do Planejamento Urbano. Dentro destes Conselhos, debatíamos questões práticas sobre o preservacionismo nas paisagens históricas da cidade a partir de seus monumentos históricos arquitetônicos e o planejamento do uso e a ocupação do solo, com direito a todas as polêmicas que envolviam, e ainda envolvem, as várias questões debatidas.
Inscrição do Estágio Supervisionado








Contrato FURB -Estágio Supervisionado -1

Contrato FURB -Estágio Supervisionado - 2
O Professor Sérgio - anteriormente mencionado - 
Coordenador de Estágio Supervisionado
A "tecla" sobre a importância e valorização da paisagem a partir de seus
elementos ordenados a partir de um planejamento e da sequência
histórica presente na mesma - Embates e debates

"Luta insana" contra o mercado imobiliário voraz.
Métodos de educação, conscientização sobre o urbanismo sem muitos ecos.
 Haviam momentos de muita frustração e tensão. O Professor Vilmar mantinha-se firme em suas convicções e muitas vezes foi hostilizado por grupos, pessoas e em alguns momentos, até mesmo por colegas, que não atingiam a amplitude de seu raciocínio, perfeitamente claro. Coordenava a equipe interdisciplinar do IPPUB como um Urbanista "livre".
No decorrer do Curso de Arquitetura e Urbanismo participamos de alguns Seminários e Cursos organizados, coordenados pelo Professor Vilmar Vidor. Um deles foi o evento na cidade de Blumenau. O curso de restauro de estrutura enxaimel ministrado por um dos maiores nomes da pesquisa do Fachwerk - Enxaimel, na Alemanha - Manfred Gerner. Participamos e filmamos o que pudemos. Recebemos uma publicação do Manfred Gerner de presente, via mãos do Professora qual guardamos com muito carinho.

Curso de restauro de Enxaimel da Casa Franz - Vila Itoupava - Professor Vilmar na escada

Registro fotográfico que gostava muito - Fez esta revelação e nos ofertou com a dedicatória abaixo


 Manfred Gerner, com o então Cônsul Honorário da Alemanha - Hans Prayon, Reitor da Furb e o Arquiteto  representante da Fundação Cultural de SC -  Pedro Ernesto Bühler




No  dia da formatura, dia 15 de fevereiro de 1997 - um cartão com a imagem de um croqui de uma madona e uma criança feito por Michelangelo. 
Sua mensagem: "O arquiteto é o homem que sabe como abrigar seu próximo."  15/02/1997


Cartão que nos enviou no dia de nossa formatura de Arquitetura e Urbanismo.


















Após a colação de grau, descobrimos que legalmente não podíamos atuar como arquitetas, porque a FURB não tinha encaminhado, em tempo hábil, a documentação necessária para que pudéssemos ser consideradas arquitetas - primeira turma de formandos. Nesta época tomávamos providências para abrir o escritório de arquitetura Arkhétypos Arquitetura - éramos três formandas. Comentamos com o Professor Vilmar Vidor, lamentando o caso e a situação involuntária. Imediatamente, de maneira muito bem humorada, ele disse: "Como não podem abrir o escritório? - E o quarto sócio?" Foi nosso sócio pelo período de um ano.
Arquitetas recém formadas mas sem o registro profissional. Professor Vilmar foi sócio do escritório de arquitetura e o responsável técnico durante o período de um ano.
Pesquisa de Campo - Porto Alegre - 1998





















Pesquisa de Campo - Porto Alegre - 1998


Também acompanhou nossa meta em tentar conseguir a melhor média do Centro Tecnológico durante o curso de Arquitetura e Urbanismo, com a intensão de ingressarmos em um Mestrado com bolsa de estudos. Fizemos uma média final de 9, 19 e com isto tínhamos certeza do mestrado por ter o mérito de receber um bolsa de estudos - do Centro Tecnológico pela melhor média. Um pouco antes da formatura nos comunicaram uma "historinha", que posteriormente, checamos e não procedia. Nossa bolsa de estudos foi "desviada" para o filho de um político da cidade - formando na mesma formatura no curso de engenharia civil, que graduou com a média final de 8,68. 
Posteriormente fizemos algumas tentativas para ingressar em um mestrado gratuito e de qualidade. Buscamos um curso dentro de nossa área de formação - UFSC, com o apoio do Professor Vilmar.

Quando preenchia essa avaliação -justificava que não dava avaliação máxima
 - pois era importante sempre existir uma margem para buscar melhorar.


Professor Vilmar Vidor - Em nosso escritório no dia  23 de novembro de 2004.
Em 2004, ele nos informou que estava abrindo um curso novo de mestrado na arquitetura da UFSC - Urbanismo, História e Arquitetura das Cidades. É o curso que escolheríamos no meio de muitos, se nos permitissem escolher. Caso fôssemos aprovados também seríamos da primeira turma. Assim, de fato aconteceu. 
Primeira Turma de Mestrado : Urbanismo, História e Arquitetura das Cidades
Com os professores: Flávio Villaça, Lino Peres e Maria Inês Sugai - 2005
Naturalmente, o Professor Vilmar Vidor foi nosso orientador e com sua apresentação fomos aceitos no curso. Ele nunca interrompeu suas pesquisas na França e durante o curso de mestrado, muitas vezes nos assessorava diretamente da França, via comunicação eletrônica. 
Página de trabalho orientado pelo Professor Vilmar Vidor.
 Ensinando também - escrever o Português -"Sujeito, verbo, objeto,
 complemento - 'Eu vim, com as calças na mão, para trabalhar'".
Momento da Qualificação - Banca - 15 de dezembro de  2006.


Professor Vilmar Vidor - nosso orientador - 15 de dezembro de 2006

Professor Vilmar Vidor - nosso orientador  e o Professor Lino Peres - 15 de dezembro de 2016.
Após a apresentação - o Professor Vilmar Vidor com os professores convidados - participantes da Banca - Professor Nelson Popini Vaz e Professor Lino Peres - 15 de dezembro de 2016.

O Professor Vilmar Vidor cobrou, criticou e quando se deparou com a possibilidade de nós não apresentarmos imediatamente após os dois bolsistas desta turma de Mestrado  - UFSC, da França, escreveu por intermédio de uma correspondência eletrônicaque estava profundamente decepcionado conosco. Foi o suficiente para mostrarmos que poderíamos defender após os dois bolsistas, mesmo com a presença de inúmeros problemas.
Nunca trabalhamos tanto como naquela época, após este episódio. Fizemos a primeira Defesa de Dissertação, após a defesa dos bolsistas do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade - primeira turma. 
A defesa aconteceu 7 dias após o 11° aniversário da colação que
 aconteceu no dia 15 de fevereiro de 1997










Após a defesa -  com o Professor Vilmar Vidor e  professores convidados - participantes da Banca
Após a defesa - com o Professor Vilmar Vidor e professores convidados - participantes da Banca e mais o Co Orientador - Professor Nelson Popini
Co Orientador e Orientador - Professor Vilmar Vidor - analisava o livro com o qual o presenteara





























































Nossa dissertação  foi publicada com o título: A Ferrovia no Vale do Itajaí - Estrada de Ferro Santa Catarina. O Professor Vilmar Vidor ficou muito feliz e externou verbalmente em um momento do evento do lançamento do livro, no dia 30 de abril de  2010, no Teatro Carlos Gomes - Blumenau.


Lançamento do Livro - A Ferrovia do Vale do Itajaí - Estrada de Ferro Santa Catarina
Com os amigos Guido Heuer, Sônia Heuer, Luciana Grebe Rosa



Em 2011, fez questão de revelar uma de suas fotografias de rosas, emoldurar e colocar em nosso novo ambiente de trabalho - recém montado escritório de arquitetura, após a defesa do mestrado. Registramos o momento, no qual fez questão de fixar a fotografia ampliada, pessoalmente.





O último trabalho que fizemos juntos foi em sala de aula, durante um de seus intervalos no Brasil. Aceitou nosso convite, em preparar e palestrar para nossos alunos do 5° Semestre do curso de Arquitetura e Urbanismo da FAMEG - e falou sobre as Cidades Novas -"Villes Nouvelles" - França. Durante esta noite do dia  29 de maio de 2014 - dia de sua palestra -  o tempo parou em nossa aula de Planejamento Urbano. Ouvimos atentamente e o assunto rendeu assunto para as aulas seguintes.

Registramos esta palestra e disponibilizamos no link - Clicar sobre:  "Villes Nouvelles" - França




Professor Vilmar Vidor


Professor Vilmar Vidor

Professor Vilmar Vidor
O que nos resta neste momento é agradecer e confirmar que somos frutos de sua "semeadura"- em processo. A busca  continua, sempre. Ele continua vivendo em todos os seus alunos  e nos alunos de seus alunos. Presente em suas fotos que refletem o que seus olhos percebiam ou, buscava através de sua carreira exemplar.






Link´s sugeridos e complementares











Algumas de suas milhares de fotos feitas pelos mundo...
















































































































Uma Vida...Uma Obra!
Você vive em sua obra e também, em seus alunos.









Nenhum comentário:

Postar um comentário